A Bíblia evangélica é constituída por 66 livros, sendo 39 do Antigo Testamento e 27 Livros no Novo testamento, enquanto a Bíblia católica possui 73 livros. A Bíblia evangélica não reconhece como inspirados por Deus, 07 livros do AT a seguir discriminados: Judite, Tobias, 1º Macabeus, 2º Macabeus, Baruc, Eclesiástico e Sabedoria. Outras diferenças aparecem nos livros de Ester (10,4-16, 24) e de Daniel (13-14), os trechos citados não aparecem nas bíblias evangélicas.

No século I d.C, começava a surgir o Novo Testamento com os Evangelhos e as cartas dos Apóstolos, que não foram aceitos pelos judeus, então os seus rabinos reuniram-se na Palestina, a fim de definir os livros que fariam parte da Bíblia Judaica e estabeleceram que os livros para serem incluídos deveriam atender os seguintes requisitos: - ter sido escrito na Terra Santa - escrito somente em hebraico, nem aramaico e nem grego - escrito antes de Esdras (455-428 a.C.) e; - não conter contradição com a Torá ou lei de Moisés. Com base nesses critérios não integraram a Bíblia judaica da Palestina os sete livros citados, que após a Reforma Protestante, Lutero e seus seguidores rejeitaram e que hoje não constam na Bíblia Evangélica.

Independente dessas diferenças, os cristãos católicos ou evangélicos seguem a Jesus, Caminho, Verdade e Vida, sendo irmãos pela fé no mesmo Deus, reconhecendo que na Bíblia Sagrada está presente a Palavra de Deus.

por: Sandra Maruri de Moura